Frustração Musical

de Tom Hess


Estás frustrado musicalmente? Não és o músico que queres ser? Ou não tão bom como poderias ou deverias ser? Olhas com inveja para outros músicos que estão fazendo o que gostarias de estar fazendo? Será que alcançar os teus objectivos musicais parece uma coisa fora do teu alcance?

Acho que, de tempos em tempos, praticamente toda gente já teve pensamentos destes a passarem pela sua mente. Felizmente, não estás sozinho e há coisas que podes fazer para combater a negatividade da frustração. Muitos dos grandes mestres da música, às vezes, ficaram frustrados com as suas habilidades musicais. Eu providenciei quatro exemplos de compositores clássicos famosos:

1. Ludwig Von Beethoven (1770-1827) trabalhou durante longos períodos de tempo nas suas composições para completá-las. Ele reviu as suas peças repetidas vezes aperfeiçoando-as e duvidando dos seus esforços originais. Isto foi quase inédito na época de Beethoven. Muitos de vós já devem saber que, mais tarde, na sua vida, Beethoven foi ficando, gradualmente, surdo. Devido a isso, Beethoven deixou de actuar como pianista em 1814 (13 anos antes de sua morte).

2. Johannes Brahms (1833-1897) ficou tão frustrado com suas habilidades de composições que passou vinte e um anos (21) a compor sua primeira sinfonia! Ele sentiu como se nunca pudesse compor uma sinfonia como as de Beethoven. Brahms continuava a recomeçá-la, revê-la, abandoná-la, refazê-la, etc.

3. Gustav Mahler (1860-1911), mestre de sinfonias, reviu as suas sinfonias e outras obras após ter duvidado do que havia composto originalmente. Mahler continuou a rever as suas obras até à morte. Deve ter sido frustrante manter-se revendo peças que já haviam sido publicadas.

4. Jean Sibelius (1865-1957) deixou de compor durante cerca de 30 anos porque achava que se tinha esgotado de novas ideias musicais. No auge de sua popularidade, ele duvidou da sua capacidade de compor algo bom. Ele trabalhou em músicas novas durante 30 anos, ou mais, esboçando as suas ideias durante o dia e deitando-as fora todas a vezes. Isto é uma frustração muito séria!

Beethoven começou a compor novamente em 1817. Muitas das suas composições mais importantes surgem a partir deste último período da sua vida. Beethoven, quando começou a trabalhar outra vez, abriu novos caminhos e fez coisas nunca antes feitas na música. Se ele tivesse continuado a deixar que as frustrações da sua surdez o paralisassem musicalmente, não seria tão conceituado como é hoje.

Após o período de vinte e um anos (21) para compor a sua primeira sinfonia, Brahms sentiu-se aliviado. A sombra de Beethoven foi elevada o suficiente para permitir que Brahms avançasse. Ele, finalmente, encontrou uma maneira de seguir em frente e de lidar com as suas frustrações. Ele completou a sua sinfonia seguinte em menos de um ano.

A frustração pode ajudar-te ou ferir-te, dependendo de como lidas com isso. Como podes ver, Beethoven e Brahms acabaram por encontrar formas positivas de lidar com as suas frustrações e ultrapassarem-nas. Infelizmente, Sibelius não. Ele é, talvez, o exemplo mais extremo de uma pessoa que deixa a frustração destruí-la musicalmente. Infelizmente, ele morreu sem que nos últimos 30 anos da sua vida terminasse uma composição significativa!

Quando era adolescente, eu e alguns amigos meus (todos guitarristas), fomos ver o Yngwie Malmsteen tocar em Chicago. Após o show acabar, alguns dos meus amigos comentaram sobre como se sentiram deprimidos depois de ouvir o Yngwie e disseram que queriam desistir completamente de tocar guitarra. Éramos todos jovens e sabíamos que o Yngwie era muito melhor músico do que nós. A principal diferença entre a reacção deles e a minha foi que eles deixaram a sua admiração pelo Yngwie frustrá-los ao ponto de pensarem não haver esperança nos seus esforços para se tornarem melhores guitarristas. Muitos dos meus amigos pararam de tocar guitarra por vários dias; um deles realmente desistiu completamente.

A minha reacção ao evento foi muito diferente. Eu usei a minha admiração pelo Yngwie como uma força positiva, maciça e inspiradora. Fiquei tão inspirado que fui directamente para casa e treinei durante a noite até que não conseguia manter os olhos abertos por mais tempo.

O ponto aqui não é tentar evitar a frustração, mas usá-la para teu proveito. Eu virei sempre a minha frustração musical para uma maior fonte de motivação. Eu estava sempre à procura de outros músicos que fossem melhores que eu para uma jam. Claro que era fácil de encontrá-los quando eu era novato; tornou-se cada vez mais difícil ao longo dos anos que se seguiram. Eu recebi muitas coisas dessas experiências.

Num artigo anterior, eu escrevi sobre perseverança, escrevi sobre a importância de acreditar em si mesmo e de não desistir. Eu não quero ser muito redundante aqui, mas vale a pena mencionar brevemente alguns pontos outra vez.

Trending Articles:
How To Become A Great Guitarist
Why
'natural talent' doesn't help
you become a great guitarist.

Gain Motivation For Guitar Practice
Learn 5 reasons why you struggle
to make progress in your playing.


Achieve Your Guitar Playing Goals
Find out how to reach your guitar
goals faster and more effectively.

Demasiadas vezes os guitarristas não chegam às suas potencialidades porque sentem que não podem equiparar-se a outros ou às suas expectativas. Porquê comparar-se com os outros? Será que realmente importa se és ou não tão bom quanto outra pessoa? Claro que não. A música não deve ser vista como um desporto competitivo. É e deve ser uma arte. Tudo o que realmente importa é o quão bem és capaz de te expressar. Assim, a questão só deve ser esta: actualmente, tens as habilidades para te expressares plenamente através da música?

Por mais que eu nunca tenha gostado ou respeitado o cantor /guitarrista / compositor / dos Nirvana, Kurt Cobain, devo admitir que ele era capaz de se expressar muito bem. Apesar do facto de que as habilidades musicais de Kurt eram primitivas e muito limitadas, pode-se ouvir a sua personalidade fluir através da sua música. Não importa que ele não fosse um bom guitarrista. Não importa que o seu conhecimento de teoria musical fosse, provavelmente, perto de zero. Também não importa que ele tocasse desafinado e que tivesse uma técnica de guitarra absolutamente desleixada. Felizmente, para aquilo que ele queria expressar, ele não precisava de ter nenhuma das competências que a maioria dos músicos considera boas e necessárias. Se o Kurt quisesse expressar algo mais significativo ou complexo, iria ficar extremamente frustrado por não ter mais habilidades musicais do que aquelas que podem ser ouvidas na sua música. Então, no final, tudo funcionou bem para ele e o meu palpite é que ele, provavelmente, não estava muito frustrado consigo musicalmente, porque ele não estava tentando ser melhor guitarrista, compositor ou cantor do que ninguém. Ele não fez esses tipos de comparações entre ele e o resto do mundo da música.

Esta é, na minha opinião, a única coisa importante que todos nós podemos seguir. Claro que a abordagem do Kurt Cobain de não se preocupar com essas comparações não é uma ideia nova; muitos outros antes e depois dele também o fizeram. Ele é usado aqui como um exemplo porque quase toda gente do nosso tempo o conhece.

Na minha vida, e no início, o pensamento de desistir da guitarra ocorreu-me (embora nunca a sério). Quando adolescente, eu também ficava frustrado quando pensava que nunca podia tornar-me num guitarrista virtuoso (como Yngwie ou Jason Becker) e que nunca poderia tornar-me num mestre compositor (como Chopin ou Bach). Quando eu parei de tentar competir com toda gente, e delineei novas metas de auto-expressão, tudo mudou. Eu parei de fazer comparações com outros guitarristas, compositores e letristas porque, com o meu novo objectivo, essas comparações de pouco ou nada serviam para a minha nova missão de simplesmente me expressar plenamente através da música. Eu senti-me liberto do fardo de ter que competir com o resto do mundo. Começando no início de 1990, o meu foco era o de apenas ganhar mais habilidades, ferramentas, etc. que eu precisaria para expressar o que tinha dentro de mim.

No meu caso, o que quero expressar exige um alto grau de virtuosismo na guitarra e composição, complexidade musical, integridade, etc. Porque eu preciso dessas habilidades, a minha viagem para chegar a um nível mais elevado de musicalidade necessitou muito mais tempo, esforço e estudo do que para alguém como Kurt Cobain, que tinha necessidades muito diferentes das minhas para se expressar.

A maioria dos músicos que irão ler isto terão muito mais ambições musicais do que o Kurt Cobain. De igual modo, tu também te vais sentir frustrado quando te vires limitado pelas tuas habilidades. A chave é usar isso como uma força positiva para a tua motivação e inspiração. Mestres de todos os tipos de arte passaram pelo que estás passando. Hoje, estás em qualquer nível de habilidade. Através da tua frustração e motivação, acabarás por alcançar os teus objectivos actuais. Ao alcançares estes objectivos, provavelmente ainda te sentirás frustrado porque o teu desejo de melhorar ainda mais far-te-á estabelecer novas metas para ti mesmo. E, assim, o ciclo continua. Mas tu estás progredindo e melhorando sempre.


Join me now and study electric guitar lessons online.

© 2002-2017 Tom Hess Music Corporation