3 Razões Pelas Quais Podes Não Estar A Ter Grandes Resultados Das Tuas Lições De Guitarra

de Tom Hess

Alguma vez tentaste ter lições de guitarra e, frustrado, acabaste por desistir porque pareceu-te que não estavas a fazer progresso suficiente? Ou chegaste a considerar ter lições de guitarra, mas alguém que tu conheces teve uma experiencia desapontante com um professor de guitarra e isto fez com que tu começasses a duvidar se valia a pena investir o teu tempo e dinheiro em ter lições? Esta percepção impede-te de obter tudo o que queres das aulas de guitarra.

Pode haver muitos motivos pelos quais pessoas desistem de ter aulas de guitarra. Às vezes isto pode acontecer porque o professor não conseguiu inspirar o aluno ou porque as aulas não eram suficientemente específicas para os seus objectivos musicais. Para evitar este problema, faz este download grátis de como escolher um professor de guitarra. No entanto, uma outra (muitas vezes mal compreendida) situação pode acontecer, ou seja, pode ser que a tua própria abordagem às aulas de guitarra, não tenha sido tão eficaz como deveria, para que pudesses fazer progressos reais.

Depois de ter ensinado dezenas de milhar de aulas de música a todos os tipos de guitarristas, e também ter sido mentor de professores de guitarra de todo o mundo, sobre a forma de serem mais eficazes no que ensinam, eu comecei a notar a existência de padrões similares e consistentes que eram utilizados pela maioria dos alunos, enquanto aprendiam guitarra.

Eu também constatei que uma abordagem específica, que os alunos aplicavam para estudar com um professor, tinha uma influência directa nos seus progressos. Muitas vezes, duas pessoas diferentes podem ter resultados muito diferentes, mesmo quando estas têm aulas de guitarra do mesmo professor. Isto acontece porque o modo como os alunos abordam o processo de aprendizagem, em geral, é muito diferente. Por exemplo, um aluno que pensou saber como atingir os seus objectivos musicais, melhor que o professor, e resistiu a algumas das instruções que este lhe deu. Mais tarde ficou claro que ele não que sabia mais que o professor. Isto, enquanto que o outro aluno, embebido em tudo o que o professor o instruía a fazer, rapidamente se tornou num virtuoso guitarrista de classe mundial.

Eu constatei que existem três tipos de aluno que facilmente ficam frustrados com as suas aulas de guitarra.
Ao leres o resto deste artigo, sê honesto contigo próprio e repara se alguma destas descrições se identifica contigo. Eu vou ser o primeiro a admitir que, em algum ponto, eu tinha as “características e comportamentos ineficazes” apresentados a seguir. Anos mais tarde, olhando para trás, eu compreendi porque levou tanto tempo (mais de 20 anos) a dominar a guitarra. Foi devido à minha abordagem ineficiente à aprendizagem, quando eu comecei nesta viagem.

O tipo de aluno “Ensina-me algo novo hoje”
 
Tu podes pensar que é de senso comum que aulas de guitarra deviam consistir principalmente em apresentação de novos conteúdos e esperar que o trabalho principal do professor seja mostrar-te coisas que sejam “novas” para ti. No entanto, se analisarmos esta abordagem com mais profundidade, vamos ver que focalizando “somente” na procura de novas informações, não trará grandes resultados a longo prazo.

Primeiro de tudo, muita quantidade de novo conteúdo leva a desgaste e a sobrecarga (e não permite o tempo suficiente para aplicar toda a informação que estás a receber). Esta sensação desgastante é o que faz desistir das aulas (ou pior, desistir da guitarra). Em segundo lugar, só “ aprender coisas novas” não conduz à maestria. Tive muitos alunos que, quando vieram, eram capazes de coisas boas na guitarra. Por exemplo, eles podiam ter boa técnica, ou uma boa compreensão de como a música funciona, ou ter bom ouvido. Mas, mais frequentemente, acontecia que a sua capacidade de aplicar e integrar aquilo que “sabiam” era muito pobre. Estando neste ponto, “aprender mais coisas novas” não vai ajudar estes estudantes a que significativamente melhorem a sua maneira de tocar.
Simplesmente, estar “consciente” de um conceito não é suficiente. Tu realmente não “sabes” uma coisa até que consigas, com as tuas outras capacidades musicais, fluentemente aplicá-la e integrá-la.        

Este tipo de treino de aplicação e integração do que tu sabes é, provavelmente, a coisa mais importante que se pode ter das lições de música e é uma área de desenvolvimento musical que, universalmente, muitos guitarristas não possuem. Isto resulta em que muitos guitarristas, passem pela experiência de enorme frustração e desilusão (mas muitas vezes não se apercebem “por que” razão estão frustrados).

Quando tu recebes aulas pela primeira vez, podes pensar que é óptimo o teu professor mostrar-te uma coisa nova a cada lição. Mas, se o professor não faz nada mais do que mostrar “coisas novas”, então, com o passar das aulas, vais começar a reparar que não estás a fazer nenhum progresso significativo (porque nenhuma aplicação, nem integração está a ter lugar). Chegando a este ponto, a maioria das pessoas desiste de ter aulas, e continua a perpetuar o mito que aulas de guitarra não são eficazes, sem realmente compreender as verdadeiras razões da sua falta de progresso.

O tipo de aluno que somente está interessado em aprender coisas novas, tipicamente, não se vai manter em aulas durante muito tempo. Se o professor começa a falar sobre um conceito que pode já ser familiar ao estudante, fica a percepção que a aula foi um desperdício de tempo. Como esses alunos podem ter ouvido falar sobre este conceito, a partir de algum outro lugar, eles acreditam que “já o sabem”.

Claro que receber nova informação faz parte do plano de compreensão de uma lição (e certamente tu vais aprender um monte de coisas novas, tendo lições), mas é a ordem na qual esta informação é apresentada, e na forma como és ensinado a USAR, APLICAR, E INTEGRAR esta informação, que torna as aulas com um bom professor de guitarra tão valiosas. Se aprender “dados em bruto” e de uma forma linear (e praticando) fosse o necessário para ser um grande músico, então qualquer um podia comprar alguns livros, estudá-los por uns anos e, praticando sozinho, podia tornar-se num guitarrista altamente avançado. Naturalmente, na maior parte das vezes isto não acontecerá.

A moral da história, aqui, é lembrar que tu foste ter com o teu professor para aprender e crescer como guitarrista. Para que isto realmente aconteça, terás de ter alguma paciência durante o processo e perceber que, às vezes, quando pensas saber alguma coisa, de facto ainda não sabes ao ponto de poderes aplicar e integrar com as tuas outras habilidades musicais.

“O Perfeccionista”

O próximo tipo de aluno pretende dominar cada pequena coisa que o professor apresenta na aula (ou descobrir por conta própria), antes de trabalhar em qualquer outra coisa. Enquanto que, à primeira vista, esta parece ser uma boa ideia, está longe de ser a abordagem mais eficiente para ser um grande músico. É melhor aprender música, utilizando uma abordagem não linear, o que significa que várias coisas devem ser trabalhadas em simultâneo, sem stressar em dominar tudo, totalmente, numa ordem linear. Descobre mais sobre a razão pela qual a típica abordagem que guitarristas seguem falha, neste vídeo sobre “como aprender e dominar a guitarra".

Eu gosto de comparar a aprendizagem musical com o cozer de um bolo. Tu não fazes um bolo cozendo um ingrediente de cada vez e, depois, finalmente, os juntas depois de estarem todos prontos. Se cozeres o teu bolo desta maneira, vai levar muito tempo a acabar e o mais importante é que o bolo não ia saber tão bem porque os ingredientes não foram cozidos juntos!

O mesmo se aplica em habilidades musicais. Se esperares até que sejas um grande mestre virtuoso em técnica, antes de começares no domínio de teoria de música, depois ires para a escrita de música, e a seguir para o improviso, poderiam levar décadas até que ficasses realmente bom e o mais certo de acontecer seria que as tuas habilidades não se integrassem. O que eu recomendo é que tu não sigas uma abordagem linear (como descrito no vídeo acima). Quando aprendendo uma nova habilidade, não esperes até que a domines totalmente; apenas certifica-te que tens o fundamental aprendido e começa imediatamente a procurar contextos em que a possas aplicar. Em seguida, trabalha na integração desta nova habilidade com tudo o que tu sabes fazer/tocar. A aplicação e integração são habilidades únicas, que devem ser praticadas separadamente. Esta ligação chave vai fazer com que deixes de ser “o estudante” que é capaz de fazer “muita coisa” na guitarra e permitir que sejas o grande guitarrista, que consegue usar todas as suas habilidades na realização completa de expressão musical.

Esta aproximação (não linear) vai também prevenir que não percas o equilíbrio das tuas habilidades, em qualquer nível do teu desenvolvimento, e vais ser capaz de aplicar e integrar tudo o que sabes. É importante saber que uma “abordagem não linear” NÃO é uma “abordagem sem lógica”. Por isso, se estás procurando por uma aproximação lógica e sistemática de aprender guitarra, devias compreender que esta estratégia sistemática, geométrica (não linear) é de facto o caminho mais eficaz e eficiente possível.

“O Desafiador”

Este tipo de personalidade muitas vezes vem de um músico que já toca há algum tempo e que já estudou com outros professores no passado. Este aluno pode chegar à sua primeira aula cheio de ideias pré concebidas de como deveriam ser as aulas e ditar ao professor o que e como ensinar. Devo esclarecer aqui que não estou falando em fazer perguntas quando não se percebe alguma coisa ou dizer ao teu professor quais são os seus objectivos. Existe uma grande diferença entre fazer isto e tentar ditar ao professor o que e como ensinar. Se o aluno sabia muito mais que o professor, então o aluno devia ser o professor, certo? Se tu sabes como aprender guitarra com sucesso, e por ti próprio, e estás realmente “feliz” com o teu progresso, sem um professor, então, talvez não precises de aulas de guitarra. Mas se estás à procura de um qualificado professor de guitarra, isto quer dizer que te apercebeste que seja o que for que estavas fazendo sozinho, não estava funcionando tão bem quanto querias. Portanto, deves aceitar o facto (ou pelo menos aceitar que existe uma alta probabilidade) que, muitas vezes, o teu professor sabe mais de guitarra e como ensiná-la do que tu e que pode, com sucesso, te ensinar a tocar bem. (Caso contrário porque darias o teu dinheiro ao professor?) É claro que os professores de guitarra não são todos iguais e alguns são muito mais qualificados do que outros. Se seguires o conselho que eu dou no guia para escolher um professor de guitarra, de certeza encontrarás o melhor professor para ti.

Eu digo sempre aos meus alunos que, para eles receberem o máximo de benefício em trabalharem comigo, têm de ter o trabalho de me explicar os seus objectivos como músicos e de enumerarem os seus desafios musicais. Então, o meu trabalho é avançar com uma estratégia, o mais eficaz possível, para que eles possam resolver os seus problemas, e levá-los a atingir os seus objectivos declarados, o mais rapidamente possível. Mas, para que isso aconteça, é preciso que eles tenham fé em mim como professor e que se comprometam a avançar comigo através do processo de aprendizagem e de treino. Todos meus mais avançados e satisfeitos alunos seguiram este conselho.

Se o teu professor de guitarra já criou muitos grandes músicos, então, isto revela que ele sabe o que está a fazer e que vai poder ajudar-te também. Mas a sua capacidade para te ajudar vai ser limitada (e o processo muito mais longo) se tu, constantemente, desafiares tudo aquilo que ele diz para fazeres. Mais uma vez, fazer perguntas sobre algo que não compreendes é normal e faz parte do processo de aprendizagem. Mas, a criação do plano global de aula é a principal responsabilidade do teu professor e não a tua.

Em muitos dos meus artigos anteriores mencionei que trabalhares com um professor de guitarra é a maneira mais rápida e directa de atingires os teus objectivos. Mas, se quiseres realmente maximizar o teu ritmo de progresso, também deves analisar a maneira como tu abordas o estudo com um professor de guitarra. Mesmo que optes estudar por conta própria, eu incentivo-te a analisares a tua abordagem de aprender e praticar a guitarra de forma a veres se pode ser melhorada.

Existem muitas variáveis que afectam a taxa de progresso enquanto aprendes a tocar guitarra.
Se alinhares todos elas a teu favor (por estudar com um grande professor, adaptando a abordagem mais eficaz para a aprendizagem, desenvolvendo hábitos poderosos de prática, e mais), então irás tornar-te verdadeiramente imparável!

Se te reconheces com um dos tipos de aluno acima descritos, pensa sobre o teu actual processo de aprendizagem de guitarra e, se necessário, toma a decisão de mudar essa mentalidade. À primeira vista pode parecer como uma pequena acção a tomar, mas a diferença que isso pode fazer no teu modo de tocar guitarra pode ser maior do que tu jamais imaginaste!

Queres saber como escolher o professor certo para ti? Faz o download do guia livre para a escolha de um professor.


Study the best electric guitar lessons and take your guitar playing to the next level. 

Forward this article to your friends

 

© 2002-2017 Tom Hess Music Corporation